Um olhar sobre o mundo Português

Uma edição de pessoas fantásticas nas suas diferentes áreas, deixe-se contagiar e sonhe mais alto. 

h facebook h twitter h pinterest

De novo o diabo do pereira

Escrito por 

No dia 17 de Abril de 2012 este jovem músico lançou nove temas, num ep, intitulado "Twist&Turns" que granjeou desde o primeiro momento a preferência do público e o reconhecimento do seu trabalho original junto de uma editora norueguesa, onde gravou o seu primeiro álbum com o mesmo nome. Dieter Daniel Pereira, mais conhecido por DD Pear Tree, já tem novas canções para um novo trabalho discográfico que ainda se encontra em stand by, saiba porquê.

A tua sonoridade acaba por ser uma fusão entre a música céltica, folk e portuguesa. Foi um rumo musical que surgiu naturalmente?
Dieter Pereira: Sim, acaba por ser uma fusão. Desde muito jovem estive sempre ligado à música de outros os géneros, já ajudei a compor e estive em diversos agrupamentos e bandas, portanto quando comecei a fazer coisas para mim saiu logo essa vertente de fusão, com as raízes tradicionais. Gosto de tocar instrumentos tradicionais, mais terra, são transversais à música popular portuguesa e irlandesa. Foi natural. Saiu.


Cantas em inglês, mas tens algum repertório em português?
DP: Tenho algumas canções em Português e não é do ponto de vista da linguagem algo que me é mais natural. Nasci em Londres, de pai português, o meu processo natural ainda está baseado no inglês. Além de que acho que é uma língua mais fácil em termos musicais, é menos poética do que o português, mas por outro lado, trabalha-se de uma maneira mais directa. Neste álbum não tenho nada em português, as composições estão guardadas para serem desenvolvidas em outras alturas.


Falemos do teu primeiro álbum, "Twist & Turns" qual foi o ponto de partida das canções?
DP: Foram dois a três anos da minha vida, os meus temas são sempre muito pessoais, ou reflectem directamente o que se esta a passar na vida das pessoas. Existe quem consiga escrever canções e ficcionar, as minhas composições são muito personalizadas e acabam por ser um apanhado de uma fase da minha vida, é um reflexo dos altos e baixos que toda a gente vive. Acaba por ser um espelho desse período. É um álbum mais alegre do que triste. Também sou assim. É pop, melódico e com muita energia positiva, que era algo que queria transmitir.

Eu ouvi uma versão anterior do "Twist & Turns".
DP: Sim, é um EP que antecedeu em um ano o primeiro álbum com o mesmo nome. Retirei dois temas desse trabalho.


Então o EP acabou por te ajudar?
DP: O EP foi uma necessidade. Eu já tinha os temas gravados e necessitava de me promover mais, conseguir chegar aos sítios e ter agenciamento como músico. Fiz uma impressão de 300 unidades que esgotou relativamente rápido, o que foi bom sinal. Tinha alguns pontos de venda, depois havia os concertos e foi motivante ver que o trabalho ia ter alguma aceitação se conseguisse grava-lo. Para isso tive que ir até a Noruega, de onde surgiu o convite para editar um álbum.


Achas que as novas tecnologias e a internet facilitaram a tua carreira musical em termos de público e até de chegar as editoras, ou não?
DP: Mudou muito para todas as áreas, desde a edição de música como literatura, mesmo ao nível das artes gráficas. Torna-se uma montra muito boa para mostrar o teu trabalho. Por outro lado, a indústria retrai-se muito, porque as editoras já eram, antes havia scouts que andavam a ouvir as bandas, ou músicos. Tu hoje em dia tens de chegar até eles com o produto final. A gravação tem de ter qualidade e a partir daí eles tomam uma decisão, se é aquele segmento em que querem apostar ou não. O investimento é de quem o produz, dos artistas em geral, é um compromisso maior. Hoje em dia pode-se fazer música em casa, já não é necessário alugar um estúdio profissional, mas tem haver um compromisso financeiro, tem de haver alguém que aposte.


O facto de cantares em inglês também facilita todo esse processo, já que a tua editora é norueguesa.
DP: Obviamente que a linguagem também é importante. É uma coincidência feliz, mas também é um mercado que estava mais vocacionado para o meu tipo de sonoridade. Em Portugal a minha música soa original, porque se calhar não há tanta coisa, a música cá dobra-se para outras vertentes. Na Noruega há já um mercado para esse tipo de pop radiofónico, com influência de folk, se não fosse cantado em inglês não teria havido essa possibilidade. A maior parte dos países Europeus tem artistas nacionais que cantam em inglês, uns com mais sucesso que outros. Aliás, tudo o que faço na música não obedece a uma estratégia definida em termos de promoção e fico muito a perder por causa disso, dizem-me. Eu sinto-me bem na forma como conduzo a minha vida, faço o que quero fazer. Não estou sujeito a pressões nenhumas.


Estas a preparar um novo disco?
DP: Sim tenho um álbum já escrito. Estou no ponto de novamente ter de decidir se assumo o compromisso ou não, se vou novamente aventurar-me e investir dinheiro num álbum, que não tem obviamente retorno monetário. Tem de ser por paixão. Estou a equacionar essa decisão.


Já tem título o trabalho?
DP: Não, tenho 10 a 12 temas. As canções têm uma menor vertente pessoal, estou a tentar escrever com um certo distanciamento. Gosto de contar histórias. Quanto mais viajámos e conhecemos pessoas, mais absorvemos esses mundos e personalidades. É um desafio que me tenho colocado, tentar contar histórias. Estou contente. Não sei é se haverá uma gravação.


Continua a ser em inglês?
DP: Há um tema que vem de trás "movies at midnight" que tem um verso em português que estou a considerar em regravar.

2 Comentários

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.

FaLang translation system by Faboba

Podcast

Eventos


loading...