A Look at the Portuguese World

 

h facebook h twitter h pinterest

Cineteatro louletano- Programa Janeiro

 

Janeiro traz também algumas residências artísticas, como é o caso de “Thy Brain”, de Maria Fonseca, na área da dança. Entre 4 e 15 de janeiro, este trabalho de fundo faz um paralelismo entre a anatomia do cérebro, a arquitetura do espaço de palco e a sua tradução emocional. Cada área do palco corresponde a uma área do cérebro que é habitada por luz ou pelo corpo presente, em movimento ou som. Refira-se que as residências são espaços / tempo de trabalho dos artistas e agentes culturais que se destinam a fomentar a criatividade e a criação artística, só possíveis com o apoio de entidades pensadoras e produtoras de Cultura, como é o caso do Cineteatro Louletano.
Nem todas as residências resultam obrigatoriamente em espetáculos, mas “RELOAD – Nenhum Lugar é, sem um Génio…” terá em Loulé essa componente.

Esta residência, prevista entre 10 e 19 de janeiro, é uma performance participativa que integrará pessoas do tecido local, com um objetivo: colocar a hipótese de recomeçar do zero um pensamento sobre a nossa própria existência. RELOAD termina com um espetáculo, no dia 20 de janeiro, às 21h00, no Cineteatro Louletano, com a participação das pessoas que integraram o processo criativo.
Em janeiro de 2023, regressa também o Cinema Francês, um ciclo promovido em Loulé pela Alliance Française com o apoio do Cineteatro Louletano, que traz ao Auditório do Solar da Música Nova um novo filme a cada mês. São “películas” difíceis de encontrar nos circuitos comerciais, habitualmente pautadas por grande qualidade de realização, fotografia, interpretação e montagem. A 10 de janeiro, pelas 21h00, o Filme Francês do Mês será “La Vie Scolaire, de Grand Corps Malade & Mehdi Idir”, uma comédia de 2021, com entrada gratuita.
No dia 21, às 21h00, o regresso em grande de uma banda mítica que marcou uma geração. Ana Deus, o ex-GNR Alexandre Soares, Miguel Ferreira, Fred Ferreira, Rui Martelo e Eleonor Picas. Pague três… e leve seis (músicos)! Falamos dos Três Tristes Tigres, banda liderada por Ana Deus (ex-BAN) que ficou famosa com a canção “O Mundo a Meus Pés”, entre tantas outras. A banda juntou-se e vai reencontrar-se com uma vertente mais rockeira e eletrónica, com canções retiradas do álbum de regresso da banda, "Mínima Luz", primeiro disco dos Tigres desde "Comum", de 1998.
Também a 21, mas um pouco antes, às 17h00, continuam os concertos Crescendo, pelo Conservatório de Música de Loulé – Francisco Rosado, espetáculos de entrada gratuita no Auditório do Solar da Música Nova. Uma oportunidade de mostrar o trabalho dos alunos (e professores) do Conservatório aos pais, amigos e a qualquer outra pessoa da comunidade que queira juntar-se e apreciar um bom concerto de música clássica, tocado pelos aprendizes.
No dia seguinte, a 22, pelas 15h00, chegam finalmente as Janeiras, com o tradicional Encontro de Charolas. Participam o Grupo de Janeiras da AGAL (Rancho Infantil e Juvenil de Loulé), as Charolas das Barreiras Brancas- AGAL, o Grupo Coral de Quarteira, o Grupo de Charolas da Casa do Povo da Conceição de Faro, a Charola Juvenil Bordeirense e a Charola da Banda Musical de Tavira.
A 23, regressa um Festival que ganhou novo nome no ano passado, mas que inclui a já conhecida Monstrare, a Mostra de Cinema Social. Durante uma semana, até dia 28, a Algarve Film Week, organizada pelo Loulé Film Office, traz a Loulé filmes e documentários de referência, incluindo ainda os Prémios Cinetendinha e a participação de um Festival convidado, desta vez o Cine Atlântico, dos Açores. Como novidade, a disponibilização de workshops para os mais novos, em Almancil e em Quarteira. É o Cinekids. Todas as atividades da Algarve Film Week são de acesso gratuito.
A 26, às 19h00, programação dirigida especialmente à infância e às famílias, com uma intérprete muito especial: Catarina Furtado. A apresentadora de televisão é a narradora desta estória candente, que é também uma lição sobre sustentabilidade ambiental. Um evento que é um livro, um disco e um espetáculo e que tem também a participação de José Pedro Gil na voz e narração e de Emanuel de Andrade no piano.
Quase a fechar o mês, ainda há lugar para uma outra peça dirigida à infância, a 29 de janeiro. É teatro que contempla dança, com “Capuchinho”, pelo Teatro Plage, com duas sessões, para ver às 10h00 e às 11h30, para bebés e famílias. A expressão corporal e a dança relevam o perfil da sonoridade da sílaba e da música, numa encenação de Paulo Lage e coreografia de Elsa Madeira.
E por fim, mas não menos importante, um concerto de Rita Vian, no ciclo Ilustres Desconhecidos, para ver e ouvir a 29 de janeiro às 17h00, no Auditório do Solar da Música Nova, com Língua Gestual Portuguesa. A voz desta “ilustre desconhecida” já não é propriamente estranha a algumas playlists de rádios nacionais, caso do remix de Branko para o single “Sereia” ou do tema “Purga”, que conta com um vídeo realizado por João Pedro Moreira (Buraka Som Sistema, Regula, Dino D'Santiago). Esta canção de Rita foi considerada pela plataforma digital TIDAL uma das melhores músicas de 2020, a canção nacional de 2020 pela rádio RADAR e uma das canções portuguesas que salvaram 2020 pelo jornal Observador.
A terminar, mais uma residência artística, desta vez com “Conversas Emergentes”. O Plano Nacional das Artes e a Companhia Caótica juntam-se para conversas / laboratórios regionais que, ao longo da Bienal "Cultura e Educação” irão percorrer o país para tomar o pulso da criação e programação das artes performativas para a infância e juventude, em cada região de Portugal.
Vale a pena começar assim 2023, no que à Cultura diz respeito, a sul do país! Com uma programação de referência  que pode ser consultada nas redes sociais, recorde-se que o CTL está credenciado pela Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses, integrando ainda a Rede de Teatros com Programação Acessível e proporcionando espetáculos com interpretação em Língua Gestual Portuguesa para S/surdos (com “S” maiúsculo são falantes de Língua Gestual Portuguesa) e outros com Audiodescrição, para pessoas cegas ou com deficiência visual.

FaLang translation system by Faboba

Podcast

 

 

 

 

Eventos